AO VIVO
Menu
Busca domingo, 01 de agosto de 2021
Busca
São Paulo
19ºmax
min
Diário Popular Super
Correios
Geral

Câmara aprova decreto que convoca plebiscito para definir futuro do Minhocão

Paulistano vai decidir parque ou implosão

10 setembro 2020 - 18h05Por Sandra Capomaccio

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (9), em votação única, o projeto de Decreto Legislativo 93/2019 que prevê a convocação de um plebiscito para consultar os paulistanos sobre o destino do Elevado Presidente João Goulart, o Minhocão, após o fechamento definitivo para o trânsito de veículos em São Paulo.

A proposta do vereador Caio Miranda Carneiro (DEM) foi aprovada por 54 votos a favor e apenas 1 contra. Segundo a Mesa Diretora da casa, não precisa de segunda votação e nem de sanção do prefeito para entrar em vigor.

De acordo com o vereador, o plebiscito quer questionar os paulistanos a respeito das alternativas definidas no Plano Diretor Estratégico de 2014 sobre o destino do elevado. O plano abre três possibilidade: a de transformação completa do espaço em um parque público, a transformação parcial ou o desmonte total da via.

O texto da proposta não define, porém, uma data para que o plebiscito aconteça e também não define de onde virá a verba para que a consulta aconteça: “as despesas decorrentes da execução deste Decreto Legislativo correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário”, afirma o documento.

parque minhocao 3

PARQUE MINHOCÃO 

2016

O Elevado João Goulart conecta a Avenida Radial Leste-Oeste (no Centro) à Avenida Francisco Matarazzo (Zona Oeste),  com 3,4 Km ele passa pelos bairros República, Consolação, Santa Cecília e Barra Funda, e a Prefeitura de São Paulo tenta há anos fazer dele um parque linear.

A criação de um parque no local foi anunciada em 2016, após a aprovação de uma lei na Câmara Municipal que foi sancionada pelo prefeito Fernando Haddad (PT). 

O Ministério Público na época entrou na Justiça e conseguiu impedir o projeto com uma liminar. O argumento era que faltava um estudo sobre o impacto urbanístico que o parque causaria na região. A liminar foi cassada e o projeto do parque foi liberado pelo Tribunal de Justiça.

2020 

Em julho deste ano a prefeitura iniciou a licitação para construir oito acessos para pedestres no Elevado, como parte da primeira fase de implantação do parque, com 900 metros.

O projeto completo de criação de um parque linear no espaço era dividico em três fases: a implantação de obras de acessibilidade, obras de segurança, e regramento específico para o entorno. O custo estimado do projeto está orçado em  R$ 38 milhões.  

PLEBISCITO

O último plebiscito na cidade  de São Paulo foi realizado há 35 anos, em 1985, quando a população decidiu pela manutenção da região de Santo Amaro dentro da cidade de São Paulo.

A proposta é que, no dia da eleição do primeiro turno, os eleitores paulistanos também indiquem se querem a demolição total do viaduto, a demolição parcial (entre a Praça Roosevelt e o Largo Santa Cecília) ou a construção de um parque permanente no espaço, seguindo as opções previstas no atual Plano Diretor da cidade, de 2014.

De acordo com o promotor público e professor de Direito Constitucional da Universidade Federal Fluminense, (UFF), Guilherme Peña de Moraes, "a consulta popular é sempre uma forma de participação na administração pública e tem como objetivo legitimar a decisão da autoridade, seja ele prefeito, governador ou presidente". O promotor explicou ainda "que qualquer unidade da Federação pode usar , mas para isso precisa de uma lei, como é  caso de São Paulo", disse Moraes. 

ELEVADO PERIMETRAL

Em 2013, durante as obras das Olimpíadas no Brasil a prefeitura do Rio de Janeiro demoliu o Elevado da Perimetral, como parte do projeto de revitalização da Zona Portuária. O elevado ficava, da Avenida Professor Pereira Reis até a Rua Silvino Montenegro. A proposta era até 2015, ser construído um túnel em susbstituição a Perimetral, deixando a Rodrigues Alves uma via expressa, sem sinais ou pontos de ônibus. Fato que nunca saiu do papel.  

O professor de Direito Constitucional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Eduardo Ribeiro Moreira, avalia que o uso do plebiscito não é habitual no Brasil, "é comum sobre sistemas e formas políticas e conceitos". Em 1993, após a redemocratização do Brasil,  a população votou pelo sistema de governo do País entre parlamentarismo ou presidencialismo. O professor Moreira lembrou também da votação por direitos, como o plebiscito do desarmamento, em 2005, "pela proibição da comercialização de armas de fogo e munições".