AO VIVO
Menu
Busca quarta, 23 de junho de 2021
Busca
São Paulo
20ºmax
13ºmin
Diário Popular Super
Correios
Em crise

Hotel Maksoud Plaza pede recuperação judicial

Incluindo débitos trabalhistas as dívidas podem chegar a R$ 120 milhões

23 setembro 2020 - 08h00

Um dos símbolos do setor hoteleiro paulistano, o Maksoud Plaza entrou com pedido de recuperação judicial para pagar suas dívidas, de acordo com comunicado divulgado pelo hotel e por sua controladora, a Hidroservice Engenharia. O valor total incluído na ação de recuperação judicial, protocolada na segunda-feira, 21, é de pouco mais de R$ 81 milhões, mas os débitos totais, incluindo os trabalhistas, chegariam a R$ 120 milhões, disse uma fonte próxima ao caso.

O hotel voltou a funcionar no último dia 4 de setembro, depois de quase seis meses de portas fechadas por causa da pandemia do novo coronavírus. A taxa de ocupação, em função do esvaziamento do turismo de negócios, diz o comunicado da empresa, está hoje por volta de 3% na cidade de São Paulo. Para cortar custos, a companhia diz ter cortado 50% dos seus funcionários no último dia 18.

Briga familiar

O hotel é alvo de uma longa disputa familiar. A briga relativa à herança põe em cantos separados pai e filho: no caso Henry Maksoud Neto e Roberto Maksoud. Um documento assinado pelo avô deu ao neto os direitos sobre a herança. Mas os filhos do primeiro casamento de Henry Maksoud, Roberto e Cláudio, afirmam que a assinatura é falsa e o documento não tem valor legal - o que Maksoud Neto, que trabalha no hotel desde os 15 anos, sempre negou.

Até no caso Panamá Papers o Maksoud foi citado, graças a uma assinatura atribuída ao fundador do hotel, mas que tem data posterior à sua morte.

Outro imbróglio judicial envolve o hotel Maksoud Plaza. Em 2011, por causa de uma dívida trabalhista da controladora Hidroservice o imóvel - avaliado em cerca de R$ 400 milhões - foi a leilão judicial. Os empresários Fernando Simões e Jussara Simões, da Júlio Simões Logística (JSL), arremataram o edifício como pessoas físicas.

Desde então, iniciou-se uma briga pela propriedade. Em dezembro do ano passado, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou esse leilão válido, mas a família continua a recorrer. A decisão foi ao TST porque o hotel foi leiloado para pagar dívidas trabalhistas.

Na petição da recuperação judicial, os advogados do Maksoud Plaza argumentam que a situação econômica da empresa vem melhorando. O hotel, segundo o documento, faturou R$ 72,5 milhões em 2019, contra R$ 36,8 milhões obtidos em 2013, sob a gestão anterior. A empresa diz ainda ter reduzido o total de processos trabalhistas de mais de 400 para cerca de 30.

O Maksoud, que viveu seu auge nos anos 1980 e 1990, é o que restou de uma empresa muito maior. A documentação da recuperação judicial lembra que a Hidroservice, uma empresa de engenharia, chegou a ter 10 mil trabalhadores em seu auge. A companhia realizou projetos como os aeroportos Tom Jobim (Galeão, no Rio de Janeiro), Eduardo Gomes (Manaus), o Terminal Rodoviário Tietê (em São Paulo).

A informação da recuperação judicial do Maksoud foi inicialmente revelada pelo jornal Valor Econômico.

Fonte: Estadão Conteudo