AO VIVO
Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
Busca
São Paulo
20ºmax
13ºmin
Diário Popular Super
Correios
Economia

Embraer demite 900 funcionários

Demissões ocasionada pela pandemia global

04 setembro 2020 - 13h29Por André Dorea


A Embraer anunciou ontem a demissão de 900 funcionários que trabalham nas unidades da empresa no Brasil. 

O tamanho do corte é semelhante ao realizado pelas outras fabricantes de aeronaves em meio à pandemia da covid-19. A americana Boeing já anunciou a demissão de 16 mil funcionários, o equivalente a 15% do total. Na europeia Airbus, foram 15 mil trabalhadores (10%).

Segundo o comunicado da Embraer, as demissões estão relacionadas aos efeitos causados pela pandemia na economia global e pelo cancelamento da venda da divisão de aviação comercial para a Boeing. "O objetivo é assegurar a sustentabilidade da empresa e sua capacidade de engenharia", justificou a Embraer em comunicado.

Desde junho, a companhia brasileira vem se reestruturando. Quatro vice-presidentes e vários diretores foram substituídos nos últimos meses. Em julho, o clima já era de tensão entre os engenheiros com a possibilidade de desligamentos.

Antes mesmo da crise decorrente da pandemia, que paralisou o setor aéreo, a empresa já tinha quase metade de seus 5 mil engenheiros parcialmente ociosos, segundo apurou o Estadão. Com grandes projetos concluídos recentemente, como os desenvolvimentos do cargueiro militar C-390 Millenium e da família de aviões comerciais E2, a demanda pelo trabalho desses profissionais despencou internamente.

Fim da parceria

A empresa diz que a pandemia afetou em especial suas operações na aviação comercial - alvo do fracassado acordo de venda para a Boeing. No primeiro semestre de 2020, as entregas de aviões apresentaram queda de 75% em relação ao mesmo período do ano passado.

A Embraer admite que a situação se agravou com a duplicação de estruturas para atender à separação da aviação comercial, "em preparação à parceria não concretizada por iniciativa da Boeing, e pela falta de expectativa de recuperação do setor de transporte aéreo no curto e médio prazo".

A Boeing anunciou que havia desistido de comprar parte da Embraer em abril, alegando que a brasileira não havia atendido as condições necessárias para a conclusão do negócio. A americana, porém, também enfrenta a maior crise de sua história por causa dos efeitos da covid-19 e em função da paralisação das operações com seu principal avião, o 737 MAX, após duas aeronaves do modelo caírem matando centenas de pessoas.

O fim do acordo colocou a Embraer em situação ainda mais delicada durante a pandemia. Isso porque, apenas no ano passado, a brasileira gastou R$ 485,5 milhões para separar a unidade de negócios que iria para a Boeing.

Greve

Ontem, após ser informado das demissões, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos organizou uma assembleia diante da sede da Embraer, e os funcionários decidiram entrar em greve.

Anteriormente, empregados haviam denunciado, de forma anônima, ao Ministério Público do Trabalho supostos casos de pressão para aderirem aos planos de demissão voluntária (PDV). A procuradoria deve analisar o caso.

Em nota, a Embraer afirmou que "repudia qualquer tipo de atitude que desrespeite as pessoas" e que a "comunicação do PDV foi feita com transparência e em linha com o Código de Ética e Conduta da empresa".

Sobre a greve dos trabalhadores, informou que as operações continuam normalmente e que deverá responder hoje à proposta apresentada pelo sindicato - que pede cancelamento das demissões estabilidade no emprego e criação de um teto salarial de R$ 50 mil para executivos da empresa.

A Embraer informou, porém, que os desligamentos anunciados já foram efetivados.

As informações são EA